domingo, 9 de novembro de 2008

sem comemoração? sim CEM!

Outro dia ao olhar o blog, vi que faltavam menos de cinco posts para a postagem número cem, e claro pra não deixar fugir a oportunidade, eis-me aqui comemorando, vai saber quando será o post número 1000 ou a 10.000ª visita, entonces resolvi fazer um pequeno texto sobre o que penso da minha própria versão.

No início de tudo eu disse que o objetivo era mostrar como eu percebo o mundo e como percebo a mim mesma, e garanto que foram grandes as surpresas, imaginem só, quem diria que reler o que escrevei, rever o que coloquei nesse espaço, mudaria bastante a idéia que eu fazia de mim. Eu que me considerava o otimismo em pessoa, a alegria em forma de gente, me vi triste e melancólica muitas vezes, deixando muitas vezes de escrever algo porque por mais que eu tentasse não conseguia mostrar algo diferente.

Eu que sempre me considerei a mais responsável, a mais careta, a mais adulta (bem ainda sou assim mesmo) vi que tenho um lado muito infantil e bem ingênuo algumas vezes. E claro algumas coisas se confirmaram, a desconfiança e a timidez são bem fortes de serem vencidas, embora eu venha lutando bravamente.

E algumas de minhas versões continuam um mistério até pra mim, mas se até Clarice Lispector (veja a citação ao lado) via no seu desconhecimento a sua maior e melhor parte, por que não eu? Embora na realidade sempre quero conhecer, o outro, a mim, o mundo e, também talvez, me deixar conhecer, embora sem fazer por onde. Mas isso são ainda suposições, ainda não deu pra perceber isso até a centésima postagem, além do que isto é um blog e não um oráculo. Talvez algumas coisas continuem ignoradas enquanto eu não buscar o jeito certo de conhecê-las.

Isso me lembrou Fernando Pessoa:

Sei que nunca terei o que procuro

E que nem sei buscar o que desejo,

Mas busco, insciente, no silêncio escuro

E pasmo do que sei que não almejo.

Muito introspectivo esse texto, acho que vou encerrar agradecendo a todos que além de lerem, de me visitarem ainda deixaram os comentários mais amáveis e que me deixaram imensamente feliz, obrigada.
PS: uma coisa é certa, quando começo a escrever sempre surgem mil coisas que gostaria de falar e que no final tenho que deixar de lado senão não seria um post de blog, seria um discurso de Fidel Castro (Pela extensão claro, longe de mim querer comparar isso aqui à inteligência dos discursos do homem, é claro que eu nunca li nem ouvi, mas dizem que duram mais de três horas. Tá vendo? Olha do que eu já estou falando, Dio mio...)

Um comentário:

TH14G0 T disse...

eu acho que tudo o que vc escreve tem uma fofura fora do comum. e o blog revela muita coisa mesmo. eu tenho meu blog desde o ano passado, mas comecei a postar mais esses últimos meses e nossa... santo remédio para as pequenas angústias do meu dia a dia! eu acho que eu tô até mais feliz, sabia?

bjos!