segunda-feira, 24 de agosto de 2009

semântica

"No mal- entendido da linguagem nos tornamos humanos e amamos. Na palavra uma amizade se dissolve, um amor acaba, a história muda, a ciência se sustenta. Esquecemos de zelar pela palavra, que é coisa frágil e firme, líquida e consistente, efêmera e eterna. Esquecemos que a palavra é a nossa maior marca do paradoxo do desejo. Damos respostas rápidas no cotidiano, estraçalhamos a escritura do outro, acreditamos na totalidade do signo linguístico, criamos certezas ao redor de algo que é pura evanescência. A palavra não dá conta de quem somos, e nada que é mediado por ela é completo- é essa nossa angústia.

Precisamos reaprender a escutar o outro "além- palavra", escutar o silêncio da diferença. Nada mais fatal para o amor que a resposta rápida. Nada mais mortal para uma amizade que o julgamento precoce."

4 comentários:

Flor de Bela Alma disse...

Oi lindona...adorei mesmo. Brigada amora! Bia

Menino-Homem disse...

boa escolha...

palavras são fortes
gentis
e como maltratam!

beijos
e de você saudades...

Wolney Fernandes disse...

Daqui também não saio mais.
Lindo blog!
Já sou seguidor também.
Beijos pra Vc.

Euzita Verdita disse...

"Palavras são gaiolas"
Bjooos