terça-feira, 27 de janeiro de 2009

vejo dois mundos da minha janela

"Não basta abrir a janela Para ver os campos e o rio. Não é bastante não ser cego Para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma. Com filosofia não há árvores: há idéias apenas. Há só cada um de nós, como uma cave. Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora; E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse, Que nunca é o que se vê quando se abre a janela. "

Alberto Caeiro

2 comentários:

José Rodrigues (JR.) disse...

Quantos mundos há em nosso mundo? quantas Africas dentro do Brasil? quantos Brasis dentro do oriente? Quantas Palestinas dentro do Rio de Janeiro? Na verdade o mundo é vasto, cheio, heterogeneo, fabuloso e assustador, tudo ao mesmo ao mesmo. No rio há quem divida: de um o asfalto, do outro a favela. Mas no fundo, a cidade nunca é partida, mas atravessada por universos diferentes produzindo nas pessoas sensações e afetos distintos.
acho que, no caso de suas fotos, não se trata de dois mundos mas de uma realidade desigual, desonesta e violenta; de uma sociedade de classes, normas, mentiras e torturas; de um pais que tem diariamente seu povo ferido e sua historia distorcida. acho que suas fotos mostram um brasil que não aparece nos cartões postais, mas que grande parte de nosso povo vive. triste é que muitos já se recusaram a olhar os dois lados desta moeda e passaram, hipocritas, a ver apenas um lado, aquela no qual o dinheiro sempre fala mais alto.

abraços aninha,

Ana Aitak disse...

palavras verdadeiras as suas. Abraços e um obrigada.