quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

imagem: http://olhares.aeiou.pt/beautiful_dream_foto1753360.html
Hoje cheguei da viagem ao MA e voltando pra casa depois de uma volta pela cidade, já colocando alguns assuntos em dia, lembrei desse poema, lembrava dos primeiros versos apenas. Foi o bastante pro Google fazer o resto do trabalho por mim. Aí está, lindo e inesquecível. Porque a gente devia se despedir de algumas coisas e pessoas com poesia, onde até dor e tristeza podem ser bonitas, colocar um fim assim, junto com o ponto final do último verso, e seguir compondo coisas novas, mesmo novamente finitas, novamente suscetíveis a outras despedidas sofridas.
Nel mezzo del camim...

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha.
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E a alma de sonhos povoada eu tinha...
E paramos de súbito na estrada
Da vida; longos anos, presa à minha
A tua mão, a vista deslumbrada
Tive da luz que teu olhar continha.
Hoje segues de novo... Na partida
Nem o pranto os teus olhos umedece,
Nem te comove a dor da despedida.
E eu, solitário, volto a face, e tremo,
Vendo o teu vulto que desaparece
Na extrema curva do caminho extremo.

Um comentário:

_Santiago disse...

Lindo, lindo, lindo.
Eu me despeço muito Ana. Vida de quem mora em um lugar, estuda em outro e vive em um outro outro.
E esse poema soa magicamente. Li em voz alta e adorei me ouvir ^^

bjobjobjo!