segunda-feira, 25 de maio de 2009

mim

Eu me comovo quando encontro nas atitudes de agora traços da menina franzina que fui, porque me transporto há um tempo onde sou expectadora de mim com outros olhos, e sinto vontade de me botar no colo se fosse possível, mas aqui eu penso que foi melhor assim. Mesmo achando que não me apropriei da infância como devia, em alguns momentos em que me vestia com preocupações e pensamentos maiores que eu. Percebo meu esforço aperfeiçoado ao longo dos anos de conquistar risos alheios, e o mesmo espanto feliz diante de um sorriso recebido de graça. Então eu não sei qual parte de mim é passado ou presente.

2 comentários:

Kholdan disse...

As vezes eu me pergunto: Será que podemos viver uma vida inteira procurando arrancar um sorriso dos outros?

João C. disse...

É... a infância é mesmo uma outra dimensão de nós mesmos, mas infelizmente só entendemos isso quando já adultos.
ah! Antes que esqueça... usei a frase do Guimarães Rosa que encontrei no seu blog no meu post mais recente.