segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Dos guardados

Fazendo uma faxina nas gavetas, encontrei uma página de revista que havia guardado ( tenho essa mania) arranquei de uma revista já toda recortada, destruída, há uns dois anos atrás, mesmo sabendo que era voltado pra um público específico da revista achei perfeito pra mim. Hoje já encontro no texto alguns defeitos, alguns preconceitos, alguns psicologismos, e discordo de algumas coisas, mas não posso negar que me faz pensar sobre a inconstância, a transitoriedade, a importância das coisas. Perceber o lado bom das coisas, por que não? Por que temos que considerar as coisas, as pessoas como imutáveis? Estamos vivendo, estamos mudando; até a minha opinião sobre o texto não é a mesma do dia em que li a primeira vez e quis guardar. Se me fez pensar em assumir uma timidez apontada, também me fez questionar o rótulo, o julgamento. Se me identifiquei com alguns exemplos, e poderia citar muitos outros, também poderia listar inúmeros que contrariam a tese. E por causa dessa mania de guardar o que me agradou, o que me sensibilizou de certa maneira, guardo aqui no meu canto, esse recorte, esse impressão, essa minha lembrança, pois o papel vou jogar fora. E olha que raiva depois de digitar isso tudo, encontrei aqui (vá em edições anteriores); era só copiar/ colar. Enfim, it's the life...
O que é timidez*

É uma característica de quem fala pouco, mas valoriza muito o outro

Há duas maneira de encarar a timidez. Començando pelo lado sombrio, a palavra timidez veio do latim timere "ter medo". O tímido é alguém com receio. Receio de quê? A lista é enorme: de ser criticado em público; de não ser o melhor; de não atingir as expectativas dos outros (principalmente dos pais); de tomar decisões que possam ser mal interpretadas; ou, simplesmente, de ouvir um "não". Ou seja, a solução para os males do tímido não está nele, está nos outros. E os outros, em vez de colaborar, acham divertido chamar o tímido de acanhado, envergonhado, enrustido, rótulos que só ajudam a piorar a sitação.
Assim, a defesa natural do tímido é se isolar e se calar, para evitar o contato- e o confronto- com outras pessoas. E aí começa a ficar altamente emocional suas reações, criando um mundo particular em que a regra é "ninguém me entende". Quanto mais isolado se torna, menos confiança adquire em si mesmo. Essa insegurança levará gradativamente à dificuldade para decidir o que fazer. O passo seguinte é a perda da auto-estima. E, daí em diante, tudo vai ladeira a baixo.
Logo, o importante é deixar a timidez de lado? Seria, se fosse assim tão fácil. Porque o tímido não escolheu ser tímido. Ele se tornou tímido. Se alguém escarafunchar seu passado, vai encontrar algum fato que talvez ajude a explicar essa retração, como, por exemplo, críticas ou pressões para ser o melhor em tudo; ou uma mudança brusca de cidade ou de condição de vida; ou pais muito afetivos, mas dados à superproteção.
Agora, a parte boa. Timidez não é uma doença, é uma característica de personalidade. Não existe uma norma dizendo que crianças tímidas irão se transformar em adultos tímidos. E tampouco a timidez vai gerar insatisfação pessoal: existe muita gente tímida com grande auto-estima. Muitas pessoas famosas, milionárias, inteligentes e corajosas foram, ou são, tímidas. Esse povo, simplesmente, aprendeu a usar a timidez a seu favor, por conta própria ou por meio de alguma ajuda especializada.
O melhor tímido é aquele que sabe que é tímido, que aceita o fato de ser tímido e que faz da timidez a sua vantagem competitiva. Porque qualquer pessoa normal prefere mil vezes trabalhar com alguém tímido, porém atencioso e prestativo, dispoto a ouvir, do que com alguém auto-suficiente, que despreza as opiniões alheias e tem resposta para tudo. Pessoas tímidas têm dentro de si, ao mesmo tempo, o acelerador que lhes permite contribuir com grandes sugestões e o freio que as impede de simplesmente levantar a mão em uma reunião para fazer uma pergunta.
Dentro de cada tímido, há um artista esperando a hora de brilhar. E, dentro de cada artista, há um tímido que encontrou a válvula de escape. O único empecilho para o tímido é ele mesmo, quando se propõe a deixar de lado o possível no curto prazo, para tentar fazer planos inatingíveis de longo prazo. No fundo, os tímidos são os melhores entre nós, mas boa parte de nós ainda não percebeu isso. E boa parte deles, também não.

* Copiado na íntegra coluna MR. MAX da revista VOCE/SA de maio de 2005.

** Escritor e palestrante; agora eu não sei, mas na foto da época era a cara do Richard Gere (Uow!).

2 comentários:

luz disse...

Bom te ver por lá... bjo

TH14G0 T disse...

sabe quando você começa a ler uma coisa e de repente você vai se encontrando nela e de repente [de novo] parece que aquilo foi escrito pra te abrir os olhos, mas não pra olhar ao redor, mas pra olhar pra si mesmo?
pois é.
gostei muito desse texto.
Quando eu estava no terceiro ano eu li um texto do Max tão legal que eu escrevi em umas folhas de fichário e deixei junto com minhas folhas de estudo.
Preciso encontrá-lo Ana.
Desesperadamente!
Viu só o que vc fez?
ahahaha
fez uma coisa boa!
bjos!