quarta-feira, 10 de março de 2010

a parte mais elevada

para a minha alma eu quero os montes mais altos,
para que eu possa unir, numa só existência,
os dois lados da vida

topo tão longe, e eu, junto de tantas pessoas,
passo ínfima em sua base infinitamente
extensa
infinitamente cheia de um mundo mudo
e sobre as almas também mudas, um feixe de luz

mas todas elas transitam maquinalmente
na base que se perde da vista.
parada, olho para elas e para o cimo dentro de mim.
se elas soubessem...

Um comentário: