terça-feira, 24 de novembro de 2009

"mais vasto é meu coração"

Não dá pra esperar que a inspiração venha, tenho urgência. Tenho que me deslocar dessa pasmaceira para outra quietude. De repente me chega esse ânimo e agarro com as duas mãos a vida que passa, corajosamente e sem expectativa a não ser a vontade pura de ser eu e fazer as coisas do meu jeito. Quando essa compreensão momentânea do que realmente importa nos assalta e tudo toma sua devida importância é que talvez consigamos chegar mais próximo da serenidade, porque não dá pra saber de outra forma o que isso quer dizer; não dá pra sentir, se estamos carregando tantos outros sentimentos densos. Eu confesso que faço essa interpretação a partir da minha preferência pelas sutilezas e por tudo quanto é delicado; aprecio os acontecimentos subjetivamente, mas isso não invalida minhas considerações e cada um pode refletir diferente, o mundo é vasto, já dizia Drummond.
a propósito:
"Sei lá. O melhor é não procurar muito. Tragam pacotinhos vazios. A paz deve estar lá dentro." Drummond-aqui

2 comentários:

Kholdan disse...

Muito bom texto...como sempre =]

_Thiago disse...

Sabe, este personagem que carrego comigo me surpreende às vezes e me faz grande diante da vida. Mesmo tendo uma máscara só, ele pode seguir vários roteiros, tomar várias atitudes (ou nenhuma). Mas me irrita ver algo que eu mesmo criei sendo vítima dos medos que eu já conheço, dos problemas que eu mesmo inventei.
para saber se estamos seno nós mesmos é só identificar aquele sentimento de valentia. de saber que tudo é o que é e que você está no centro do palco, que você mesmo construiu.
não dá mais pra criar roteiros para outros personagens. nós somos as estrelas de nossas vidas!