sexta-feira, 4 de abril de 2008

Acho que estive cheia de orgulho nos últimos dias, cheia de minha falsa autosuficiência, de egoísmo e indiferença e por que? Por algo tão intangível, tão distante e improvável; mas felizmente Deus ou a própria vida trata de me mostrar o meu tamanho, e o que realmente importa, o que não importa, e novamente estou consciente da minha pequenez e insignificância diante de tudo, felizmente me sinto fraca e impotente e tenho que lutar com todas as minhas forças e continuar a ter esperança, e aprender que não posso nada em mim mesma.

3 comentários:

Dante Accioly disse...

Hello, deixei um comentário no texto sobre o tato. Beijo.

Guilherme disse...

Ao abandonar a noite, o que pode ser do dia?! Ao não saber o que é o "frio", como você pode ter idéia do que também é "calor"?

Ah, abandone a idéia de ser pequena, e assim vc não se preocupará se não é tão grande, ou se é.

Apenas seja. Na mais bela infinitude de suas formas e escolhas.

Não se preocupe em ser. Você já é aquilo que é. E a existência não rotula, não classifica.

Ela lhe abençoa de possibilidades criadas por você mesmas.

Sua criação vem da sua autosuficiência. E você não tem como abrir mão de seu poder.

Mas.. esqueça sobre poder. Esqueça-se sobre o "dever-ser"

Viva! Entregue-se! ;)

luz disse...

Sempre somos aquilo que acreditamos, então acredite, seja grande. Se Deus nos fez sua imagem e semelhança, é porque nascemos para ser Deuses.
Seja o Deus do seu universo. Crie o mundo que você acredita.
Olhe pra você bem de perto e se surprienda.Geralmente somos muito, muito mais do que imaginamos.
Bjo.